Síndrome do Ninho Vazio

E agora, meus filhos casaram ou saíram de casa para morar fora…o que eu faço? Ficou um vazio…Esse e outros motivos que levaram o filho (a) sair de casa e buscar novas experiências para a vida. Pode fazer com que os pais sintam uma sensação de vazio e falta de sentido, que é entendida, até certo ponto, como normal.

Vamos conhecer um pouco mais sobre esse momento da vida… Conhecido por – Síndrome do Ninho Vazio – que se caracteriza com a saída do filho de casa e o sofrimento associado a perda do papel que os pais desempenhavam em relação aos filhos. Incluindo a rotina e configuração que a família tinha com a presença do filho.
Afeta em geral mais as mães. E têm tempo determinado de duração que vai desde a saída do filho até uma nova adaptação ou reestrutução da vida familiar.
Elas podem apresentar sentimentos ambíguos. Porque, as mães sentem-se satisfeitas por verem seus filhos bem criados e capazes de construir uma vida independente e até construírem uma nova família. Contudo, há o sentimento de perda, a sensação de vazio. As mães desempenhavam o papel de mãe, cuidadora, protetora, em tempo maior e, o faziam a longa data. E agora este papel terá que passar por modificações, reconstrução com o filho (a) fora de casa.
Existem vários níveis dessa síndrome… Cada pessoa reage de uma maneira, de acordo com sua realidade, características, disposição a mudanças e perceber novas possibilidades de vida. É importante lidar com a perda de forma real e verdadeira, ao invés de negá-la, para evitar a prolongamento do sofrimento.
Se ficar muito difícil de lidar com a situação, há tratamento. Procure ajuda de um psicólogo. Que irá ajudar a pessoa na elaboração do luto em relação a saída do filho de casa. E quais possibilidade e recursos a partir de então, existem para a reconstruir o papel familiar, o papel de mulher, vida social, esposa, mãe de filho adulto, entre outros pontos que serão trabalhados de acordo com cada pessoa.
Dicas para a mãe ou pai que se identificou: 
• Não negar o sentimento de perda (elaboração do luto/perda);
• Ter ou criar disposição para o novo, para mudanças;
• Cuidar de si mesmo;
• Perceber novas possibilidades e recursos para o novo formato que a vida apresenta;
• Cuidar mais da relação com o esposo (caso seja casada);
• A saída do filho de casa, não significa perda do amor que ele sente por você;
• Busca por atividades prazerosas novas ou aquelas que foram deixada de lado ao longo do tempo;
• E caso necessário, buscar ajuda de um psicólogo.